Mais amor, menos barganha

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Mais amor, menos barganha

Mensagem por Ana em Qua 30 Jul - 23:13

Alguém muito, mas muito entendedor dos assuntos do coração, ou que pelo menos acredito que já passou por uns bons bocados nessa vida, disse por aí que amor é um ato de fé. Não estou falando de santos, orações, imagens ou lendas, estou falando de fé de verdade. Aquela que lá no fundinho da nossa alma acredita, sonha, cruza os dedos, joga a moeda, que ainda segue otimista mesmo com todos os percalços que aparecem pelo caminho. Fé de gente. Inconsciente, inconsequente, subjugada. Fé de quem ainda nem descobriu o significado desta palavra no meio da travessia. Acho que a gente anda tão acostumado com a frieza e a distância cada dia maior das relações interpessoais, que se esquece de que tudo na vida, principalmente o amor, é uma escolha. Barganhar retorno de um sentimento que deveria ser fornecido de graça é perder a fé em si mesmo, no seu potencial dentro de um relacionamento e no amor em si, que ó, tem que vir por merecimento não por obrigação.

Mania feia que a gente tem de barganhar. Na maioria das vezes são coisas bobas, mínimas, como de quem é a vez de fazer o jantar, quem liga primeiro depois de um encontro, quem busca quem para sair. Coisas que seriam facilmente resolvidas com um pingo de desapego. Infelizmente, a mídia, as redes sociais, a revista da fila de espera do dentista, a novela das 8 e o programa de rádio, pregam uma “verdade absoluta” de que as pessoas tem que se fazer de difíceis, que a outra metade tem que correr atrás para demonstrar seu valor, que pessoas que adiantam o primeiro passo têm caráter duvidoso e mais um bilhão de baboseiras que muitos tomam para si, tornando isso regra total e irrestrita de vida. O resultado são relacionamentos turbulentos, romances unilaterais, carência, descaso e ao invés de se afastarem definitivamente, vão de encontro direto a tão temerosa solidão.

Amor não é barganha. Você não liga só porque ela ligou, você não vai até ele só porque da última vez foi o contrário, você não espera para dizer que gosta só pra não parecer vulnerável. Você faz o que seu coração tem vontade, única e exclusivamente, porque assim você deseja. E só. A gente não pode fazer muita coisa pela reciprocidade do outro, mas pela nossa a gente pode e deve sim, fazer tudo que traz paz para o nosso coração. Se todo mundo soubesse o tempo de carinho, cuidado e afeto que se perde barganhando minúcias dentro de um relacionamento as pessoas abraçariam mais o livre arbítrio e arcariam de mente aberta e essência tranquila, com as consequências de suas próprias escolhas. Se não está disposto a correr riscos não desafie o outro para jogar. A gente pode cair sim, se machucar sim, literalmente ganhar um tapa na cara do universo sim, cada vez que resolve alimentar um sentimento abstrato como o amor. Mas mergulhar pela metade numa jornada que te pede inteira, só gera frustração e carência.

Amor é um ato de fé. Ou você doa de graça, de bom grado, de coração e alma lavados para o outro ou, com o perdão da palavra, você não tem merecimento para viver o sentimento de forma plena. Claro que tudo que a gente precisa de uma pessoa que nosso coração escolheu se apaixonar é o mínimo de retorno. Mas não dá pra barganhar uma troca. A gente abre portas e janelas na esperança de que o outro venha com as flores e as cortinas. Se vier ótimo, deixe os passarinhos entrarem. Se não vier, isso não deve ser motivo para não decorar sua morada. Feliz é quem aceita que o amor começa dentro da gente. Sem criar expectativas, sem cobrar desnecessariamente, sem fazer “mimimi” por um mero ponto equivocado dentro de um parágrafo recheado de pequenas delicadezas.

A melhor metade do amor a gente demonstra justamente na hora que “falha” a reciprocidade do outro. Se ele estiver muito cansado para sair vá até ele, se ela estiver indisposta em fazer o jantar tome as rédeas e peça um sanduíche, se ele não te ligou depois do primeiro encontro honre seu poder de escolha, sua autossuficiência e seu batom vermelho escarlate e faça o contato. Discernimento para diferenciar indiferença de descuido. Coragem para guardar o ego, o apego e aquela vontade tentadora de “chegar em primeiro lugar”, em um cantinho bem escondido da nossa alma. E muita fé, para acreditar que onde a gente deposita nossa vivência alguém transformará nossa prece em disponibilidade, respeito e merecimento. Assim seja.


http://www.casalsemvergonha.com.br/2014/07/30/mais-amor-menos-barganha/
avatar
Ana
Bom inicio PaDawn
Bom inicio PaDawn

Mensagens : 512
Data de inscrição : 09/07/2014
Localização : Porto Alegre - RS

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Ana em Qua 30 Jul - 23:13

perfeito.... chega de joguinhos infantis...
avatar
Ana
Bom inicio PaDawn
Bom inicio PaDawn

Mensagens : 512
Data de inscrição : 09/07/2014
Localização : Porto Alegre - RS

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Fiorella em Qua 30 Jul - 23:33

Adorei!

Na verdade, a "barganha" no amor é justamente essa troca espontânea que a autora descreve. Ambos demonstram seus sentimentos reciprocamente. É uma troca, uma doação mútua... e não um primeiro-eu-depois-você (ok, pras tarefas da casa ou para pagar as contas sim, hehehe).

Enfim, nada é novidade, né... mas vai ver por aí na prática!  scratch 
avatar
Fiorella

Mensagens : 111
Data de inscrição : 10/07/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Ana em Qui 31 Jul - 21:24

avatar
Ana
Bom inicio PaDawn
Bom inicio PaDawn

Mensagens : 512
Data de inscrição : 09/07/2014
Localização : Porto Alegre - RS

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Alice Moura em Sex 1 Ago - 5:25

Não sei se concordo com o texto postado.
Achei meio utópico, o ser humano não é tão desprendido assim.
E mais: é lógico que que quando entramos num relacionamento, queremos retorno. E retorno, a meu ver, é barganha "light", voce não pode só dar amor sem receber algo em troca. Ninguém faz isso.
Outra coisa são os jogos de sedução: fazemos isso o tempo todo! É no trabalho quando queremos mostrar nosso melhor, é na vida quando queremos nos destacar de alguma forma, estamos sim seduzindo o outro para que preste atenção em nós e dele obter o que buscamos, nem que seja um olhar, um notar, um prestar atenção.
No relacionamento a dois então... nem se fala!
Se a sedução não falar primeiro, o restante não se mantém.
avatar
Alice Moura

Mensagens : 341
Data de inscrição : 15/07/2014
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Tupiniquim em Sex 1 Ago - 5:35

Posso confessar que tive preguiça de ler atentamente o texto todo? Pulei umas partes... Outras eu li assim meio na diagonal...
Mas, pra mim, amar é distinguir!
Eu distingo a quem amo. Distingo a ponto de permitir algumas injustiças para comigo!
Eu me permito ser injustiçado porque amo: contas são desigualmente partilhadas, ações equivocadas são acolhidas, desvirtudes são relevadas. E eu ainda fico feliz!  Very Happy 
avatar
Tupiniquim

Mensagens : 41
Data de inscrição : 31/07/2014
Localização : Salvador

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Kvet em Sex 1 Ago - 11:17

Tupi!!!

Que bom te ver por aqui (sem querer imitar aquela emissora de TV  tongue )

 aplause welcome 

BJUS
avatar
Kvet

Mensagens : 91
Data de inscrição : 10/07/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Tupiniquim em Sex 1 Ago - 23:50

Kvetinha, vim esquentar o papo.  :-)
avatar
Tupiniquim

Mensagens : 41
Data de inscrição : 31/07/2014
Localização : Salvador

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Mais amor, menos barganha

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum